Últimas

Especialista explica os riscos da hepatite


As hepatites virais são doenças silenciosas que provocam a inflamação do fígado. No Brasil, são causadas em sua maioria pelos vírus A, B ou C. Os sintomas mais comuns das hepatites virais são mal-estar e cansaço, muito semelhantes aos de várias doenças, o que pode dificultar o diagnóstico. Por isso, aconselha-se a realização de exames laboratoriais para diagnóstico. Em algumas fases da doença, a pele e os olhos podem ganhar uma cor amarelada e a urina fica escura, mas nem sempre estes sinais estão presentes.
Existem vários exames para diagnosticar e acompanhar a doença. A escolha do procedimento indicado em cada caso deve ser feita conforme e avaliação médica.
O infectologista e responsável técnico pelo serviço de vacinas do Laboratório Sabin em Salvador, Claudilson Bastos, explica que os tipos de hepatites virais possuem sintomas semelhantes, mas com evolução e prognósticos diferentes. “As hepatites B e C podem evoluir para a cronicidade e, de maneira silenciosa, levar à cirrose, câncer de fígado comprometendo completamente o funcionamento deste órgão”, alerta o médico. Os casos mais graves podem atingir até 0,9 e 2,4% de algumas populações, representando milhões de pessoas infectadas.
O tipo mais comum da doença, segundo o Ministério da Saúde, é hepatite A, transmitida através do consumo de água, alimentos contaminados e de uma pessoa para outra. O vírus fica encubado entre 10 e 50 dias e atinge 68% da população em algumas faixas etárias e regiões.
Já a hepatite dos tipos B e C são transmitidas, principalmente, por meio do sangue e sexualmente transmissível, podendo apresentar sinais, somente, após 1 a 6 meses depois da infecção. Relações sexuais sem preservativo, amamentação, compartilhamento de material para uso de drogas (seringas, agulhas) e de higiene pessoal como lâminas de barbear e alicates de unha estão entre as principais formas de transmissão.

Formas de tratamento
O tratamento da hepatite consiste, inicialmente, em repouso, hidratação, boa alimentação e só ingerir remédios que tenham sido receitados pelo médico. Cada tipo de hepatite pode receber um tratamento diferente.
Vacinação
Para prevenção das hepatites A e B existem vacinas separadas ou combinadas AB. “A vacina combinada é tão eficaz quanto as separadas. A  vantagem está em receber duas imunizações em um único momento”, garante o infectologista. Por outro lado, ainda não existem vacinas para as hepatites C, D e E.
As vacinas devem ser tomadas em esquema de três doses nas pessoas saudáveis e de quatro doses em prematuros e imunodeprimidos. Vale lembrar que, apenas, o esquema completo imuniza o indivíduo e, quanto mais cedo for iniciada, melhor o efeito. “A primeira dose é aplicada no dia escolhido, a segunda após 30 dias e a terceira após 180 dias da primeira dose. Em recém-nascidos, o ideal é receber a primeira dose da vacina logo após o nascimento, nas primeiras 12 horas de vida, para evitar a transmissão vertical”, afirma Claudilson Bastos.
 Dicas de prevenção:
- Imunização prévia através de vacinas para hepatite A e B;
- Uso de preservativo em todas as relações sexuais;
- Não compartilhar objetos pessoais como lâmina de barbear, escova de dente e material de manicure;
- Utilização de instrumentos esterilizados em tatuagens e piercings.

Comentários