Últimas

Espetáculo sobre dramaturgo francês Jean Genet estreia em Salvador neste sábado 3, na sala do Coro do Teatro Castro Alves



Aplaudida por cerca de 2.000 pessoas no Festival de Teatro de Curitiba, “O DIÁRIO DE GENET” estreia dia 04 de maio, na Sala do Coro do TCA. Depois de “O melhor do homem” (2010-2013) e “Salmo 91” (2011-2013), a ATeliê VoadOR Companhia de Teatro estreia sua terceira produção do conjunto de peças que batizou de “Trilogia sobre o Cárcere”. O DIÁRIO DE GENET, com texto e direção de Djalma Thürler é um mergulho no pensamento político do escritor francês Jean Genet e um avanço na compreeensão da ideia de cárcere. “Aliás é um avanço em muitos sentidos”, diz o Diretor. Ao aproximar sua encenação dos Estudos Culturais, Thürler trouxe para as vozes de Genet (“O diário de um ladrão”, “Nossa Senhora das Flores”, “As criadas”, “Os negros”, “Um cativo apaixonado”) outras importantes das Ciências Políticas criando um texto potente como política pós-identitária. Desse modo, “O diário de Genet”, a mais política das três peças da Trilogia, caminha para o que Thürler passa a chamar de “encenações anfíbias”, expressão que toma emprestada do pensador Silviano Santiago. “Minhas peças poderiam ser reconhecidas através do hibridismo entre arte e política, binômio que sustenta minhas últimas incursões na cena baiana”.
Há avanços também na linguagem da peça, Thürler mergulha sobre teorias e práticas de um teatro performativo e contemporâneo. Em “O diário de Genet” não há um trabalho de composição de personagens, não há representação de personagens, mas apresentação; como também não há um texto linear com características caras à dramaturgia ocidental com início, meio e fim. Essa concepção também interferiu na iluminação e na cenografia que, caminham juntas, para o grande desafio da Ateliê Voador, que é o de oferecer o trabalho de ator para o público, de entregar o ator.

A Ateliê Voador tem sido reconhecida pelos trabalhos que valorizam e concentram no ator o centro de seus investimentos, não apenas em sua técnica, que para Thürler é “fundamental e indispensável”, mas em sua formação cultural e política. “Preciso engravidar o ator do desejo político de falar sobre alguns assuntos, de qualificar seu discurso sobre os temas que trabalhamos nas peças”, destaca o diretor. Essa preocupação pode ser vista na última semana quando a Companhia apresentou em São Paulo “Salmo 91” no dia em que os policiais que protagonizaram o massacre do Carandiru – tema da peça – foram condenados a 156 anos de prisão. “Foi uma apresentação carregada de emoção, desde a concentração até os aplausos finais.”.

É o que se pode esperar de “O diário de Genet”, que traz os atores Duda Woyda e Rafael Medrado num dueto que positiva o sujeito e as práticas abjetas, desloca o centro como o lugar privilegiado e desejado e destaca a marginalidade como estratégia identitária e política.

SERVIÇO:
DATA: 04 de maio a 02 de junho de 2013 (SÁBADOS E DOMINGOS)
HORÁRIO: 20h
INGRESSOS: R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia)
LOCAL: TEATRO DA SALA DO CORO DO TCA.

Comentários