Últimas

Glória Pires sobre papel homossexual



Glória abriu a coletiva contando que havia recebido o convite para fazer este filme há 17 anos atrás por Lucy Barreto. "Enfim chegou. Eu estava aguardando muito este momento e eu acho que hoje eu estou muito mais preparada. Nesta espera eu fui treinando meu inglês, fui me aperfeiçoando", afirmou. A atriz ainda fala sobre a importância do papel. "A Lota é uma personagem muito importante porque teve uma participação na vida do Rio de Janeiro. Ela é forte, ela é culta, ela é inovadora e estava a frente do seu tempo".
Relação homossexual
O filme vai mostrar a relação homossexual que a personagem de Glória teve com a escritora Elizabeth Bishop, que será intepretada por Otto. Glória também comentou um pouco sobre o assunto. "Homossexualidade é um grande atrativo. Eu espero que as pessoas tenham a curiosidade, mesmo que aqui não esteja se discutindo isso, e sim o que foi a obra dela", disse sobre a importância de falar naturalmente sobre o tema.

Quando questionada sobre como faria para não existir preconceito com o tema, já que ela é uma pessoa que tem uma marca muito forte no público e nas famílias, a atriz deu sua opinião. "Acho que preconceito é falta de conhecimento. Quando você coloca um assunto na roda, numa novela, num filme, isso se torna um debate e de alguma forma faz com que as pessoas estejam ligadas a esse assunto. Espero que elas não se preocupem com a orientação sexual dos outros", completou.

Bruno Barreto, diretor do longa, também comentou o assunto e revelou que filmará a primeira cena de amor delas. "O foco não é a preferência sexual delas e sim o amor, como elas lidam com a perna. Foi muito importante saber lidar com isso para não ser pudico e não estar fora do assunto, porque foi uma realidade", disse sobre a relação das personagens. "É um amor natural, não tem porque ser escondido. É um amor sem pudor e a gente quis atrizes maduras justamente para lidar com isso de uma forma muito natural, pois esse não é o foco", acrescentou.

Comentários